Caótico dos Infernos – 6

Lá estava eu. Tranquila, alegre e indiferente a ela. Sabe por quê? Porque eu era hétero. Aquilo tinha sido um lapso e eu era hétero. Tantos garotos na escola e eu fui cismar com aquela louca? “Cismar” era a palavra, porque eu não podia estar apaixonada por ela, já que eu era hétero. Hétero, hétero, hétero.  Toda hétero comendo meu pão de queijo no recreio. Se eu fosse lésbica ia comer, sei lá, churrasco. Pão de queijo era comida de hétero, que era o que eu era.

Minha heterossexualidade virou fumaça quando olhei para o lado e a vi se aproximando.

-Oi. – ela disse.

-Oi.

-Você não fala mais comigo…

-Não.

-Por que não?

-Por que você acha?

Ela não disse nada. Isso me deu muita raiva.

-Por que você não vai ficar com seu namorado e me deixa em paz? Está com medo que eu conte a ele que a gente ficou? Porque eu prefiro morrer a me dirigir a ele. Ou a você, e se você puder me dar licença eu agradeço, estou tentando comer.

-Ele não é meu namorado faz tempo… Ele terminou comigo…

-Quer que eu chore com você? – falei, irônica.

-…Por que tinha ciúmes…

-Com toda razão!

-…De você.

Pra isso eu não tinha resposta. Eu sei que não é nenhuma declaração de amor de filme, mas o jeito que ela falou aquilo derrubou todos os muros que eu tinha construído para me proteger. Antes que eu pudesse responder qualquer coisa ela me beijou. Bem ali, no pátio, na frente de todo mundo. Coca light, cigarro e Trident de canela. Que saudade! Que sensação maravilhosa! Enquanto ela me beijava três coisas passaram pela minha cabeça:

1- Será que isso significa que ela também gosta de mim?

2- Hétero my ass! Vou contar para minha mãe hoje e não me importa o que aconteça.

3- Espero que não tenha muita gente vendo isso, vão me zoar muito na sala.

Então o beijo acabou. Eu abri os olhos bem devagar e foi a segunda vez que o mundo mudou completamente ao meu redor. Um fato sobre minha escola que eu esqueci de mencionar: Ela é católica.

Centenas (e eu não estou exagerando) de alunos me encarando, estarrecidos. Alguns com cara de surpresa, alguns com cara de nojo. Alguns riam, outros comentavam. Crianças que passavam pelo pátio nesse exato momento (outro exemplo da minha sorte) me olhavam chocadas. Inspetores, coordenadores, professores. Todos me encaravam como algo inédito, como se alguém tivesse largado uma bomba no meio do pátio e ninguém soubesse desarmá-la, tinham medo que eu explodisse ali mesmo, matando centenas de inocentes.

Meu corpo inteiro ficou dormente, exceto pela minha mão, que segurava a dela. Essa era a única parte que eu sentia.

-Você está louca, Elis! – Dario, Gabriel e Paulo disseram juntos, mais tarde naquele dia, quando eu disse que ia contar para minha mãe.

-Eu preciso contar.

-E se ela não aceitar?

-Ela vai aceitar. Além disso, se algum amigo do meu irmão tiver visto, pode contar pra ele.

-Você está fodida.

-Estou.

Naquele dia eu não sabia bem o que estava sentindo. Todos me olhavam onde eu fosse, todos falavam sobre mim e nem disfarçavam. Alguns alunos mais velhos faziam piadas, alguns dos meus amigos estavam chocados, tinham acabado de descobrir tudo. O Rodrigo! Um dos meus melhores amigos descobriu ali, junto com todo mundo. Ele merecia saber antes. Eu queria que ele tivesse sabido antes dos outros, precisava dizer isso a ele.

-Rodrigo, eu…

Ele me abraçou. Só isso.

-Ela é mais bonita que o Paulo, Elis.

E aquilo me deu a coragem que faltava e que eu quase perdi quando bati na porta do quarto da minha mãe aquela noite.

Anúncios
Esse post foi publicado em Caótico dos Infernos, Uncategorized. Bookmark o link permanente.

3 respostas para Caótico dos Infernos – 6

  1. Sheila disse:

    Adorei o blog. Instigante.
    Li todos os textos de uma só vez e fiquei com gostinho de quero mais…

  2. R. disse:

    Conheci o blog hg, adorei a história e to curiosa pra saber no q vai dar!
    Baah, só quem passa por isso sabe o q é conseguir arranjar coragem pra contar pros pais… você não tem certeza de nada, eles podem te odiar, ou podem rir do seu medo e te abraçar, dizer q nada vai mudar… Geralmente a reação q a gente imagina é errada hasuhuasuashhuuash eu não tive a sorte da segunda reação, passei de motivo de orgulho a problema xP mas tudo bem, o q é q se pode fazer né?
    Boa sorte com o blog!
    ;*

  3. Rafa disse:

    curiosa pra ver no que vai dar!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s